Muita gente sabe que os carros vêm com dois tipos básicos de câmbio, são eles:

  • Manual – Aquele que o motorista precisa fazer a troca das marchas.
  • Automática – Este tipo de câmbio faz todo o trabalho de mudança de marcha para o motorista.

O que muita gente não sabe é que existe um sistema intermediário, que permite que você usufrua das duas opções citadas acima. Eles são chamados de câmbio de dupla embreagem.

Características do Câmbio de dupla embreagem

Conhecido por DCT, ele oferece a função de duas caixas de câmbio em uma que utiliza duas embreagens, mas não tem pedal. A presença de eletrônicos e hidráulicos bem sofisticados é a responsável por controlarem as embreagens.

No câmbio DCT as embreagens funcionam independentemente. Uma das embreagens é responsável por controlar as marchas ímpares, já a outra embreagem é responsável por controlar as marchas pares. Com a utilização deste recurso, as marchas podem ser trocadas sem interromper o fluxo de potência do motor para o câmbio.

Existe a possibilidade de escolher um modo totalmente automático, neste modo, as trocas de marcha são feitas pelo computador. O choque de troca de marcha neste modo automático, praticamente não é sentido.

Como funciona a divisão de marchas?

Isso tudo só é possível, pois existe um sistema muito engenhoso que é composto por duas árvores, elas são responsáveis por separar pares e ímpares.

Como funciona o câmbio de dupla embreagem?

Veja como funciona a divisão das marchas

Como já foi dito anteriormente, a DCT divide as marchas entre os números pares e ímpares. A árvore externa é totalmente oca, ela deixa um espaço para a árvore interna, a árvore externa é responsável da segunda e quarta marchas enquanto a interna controla a primeira, terceira e quinta.

Outra diferença dos câmbios DCT, são que eles não precisam de conversor de torque. Eles utilizam embreagem multi-disco em banho de óleo. Este tipo de embreagem tem seus componentes banhados por algum tipo fluido lubrificante, isso acontece para reduzir o atrito, além de limitar a produção de calor.

No momento em que a embreagem é acoplada, a pressão hidráulica dentro do pistão exerce uma força em um conjunto de molas helicoidais, desta forma, elas se expandem, esta expansão é responsável por empurrar uma série de placas de embreagem e disco de atrito, eles estão empilhados contra uma placa de pressão fixa.

Para poder desacoplar a embreagem, esta pressão sobre o pistão é reduzida, permitindo assim que as molas do pistão relaxem. Confira este aumento e perda de pressão no infográfico a seguir:

Como funciona o câmbio de dupla embreagem?

Entenda a diferença entre acoplada e desacoplada

Ficou bem claro o funcionamento destes modernos câmbios de embreagem dupla? Esta tecnologia está avançando de forma impressionante, muitos especialistas já consideram inevitável que seja o padrão de um futuro não muito distante.

Estamos encerrando aqui o nosso artigo, esperamos ter agradado a todos vocês com este artigo e com as informações que foram trazidas. Obrigado pela companhia de sempre e continuem acessando o nosso site. Ele está recheado de informações interessantes te aguardando!

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)