Estamos acostumados já a ver muitas notícias e pessoas reclamando sobre os preços no Brasil e a grande diferença entre os produtos daqui e no exterior. Uns colocam as culpas nos impostos. Outros, colocam a culpa na produção brasileira. Afinal, o que será que acontece que carros aqui no Brasil chegam a custar mais do que o dobro do que no exterior e pior ainda, com altas taxas de juros nos financiamentos? Vamos tentar explicar isso com muita paciência e o máximo de imparcialidade, desconsiderando partidos políticos, mas levando em conta nossa política econômica.

Comparando preços no Brasil e no exterior

Já tivemos reportagens na Veja, Super Interessante, canais no YouTube que falam sobre o tema e muitos outros canais. Todos eles comparam preços, desde carros a produtos como celulares e roupas. E em todos, praticamente, a diferença chega a ser de absurdos preços com um mínimo de 50% mais caros do que no exterior.

Precisamos pensar que somos um país em crescimento, não desenvolvido, ou seja: pobre. Não temos muito dinheiro. Mesmo assim, continuamos vendo números e mais números da indústria crescendo e tendo resultados positivos. Vamos explicar isso em detalhes mais abaixo.

Mas continuando, peguemos o exemplo do Samsung Galaxy S4, lançado no Brasil por módicos R$2.400. Lá fora, desbloqueado, ele sai por aproximadamente US$750. Se fizermos a conversão simples, de 2 reais para cada dólar, sem levar em consideração impostos e outras coisas mais, o valor dele é equivalente a R$1.500. Vamos supor então que você viaje ou peça a algum amigo para comprar um desses celulares para você durante a viagem. Ele não pagará impostos ao entrar no Brasil, caso seu amigo traga só um celular para uso próprio (no caso o seu). Não vamos considerar o imposto que poderia ser pago para ficar mais simples a comparação. Temos então uma diferença de R$1400, que é praticamente o preço de celulares intermediários a alto nível de várias outras marcas. Você até consegue encontrar o Galaxy S3 a esse preço hoje em dia, até mais barato.

Já que o que nos interessa são os preços de carros, a covardia é muito maior. Vamos pegar os carros no México, já que exportamos nossos veículos para lá. Ou seja: o mesmo carro vendido aqui é vendido lá.

Vamos para o Gol, da Ford, modelo 1.6, quatro portas e ar-condicionado. O preço aqui no Brasil deste modelo é de R$37.000. O mesmo carro, que é considerado um modelo básico no México, custa R$23.000, uma diferença de R$14.000, que é praticamente o preço de uma moto de 300 cc nova. Se pegarmos um carro mais potente, como Camaro, temos uma versão mexicana custando R$65.000 e o brasileiro custando R$190.000.

Isto é apenas uma comparação simples. Se você for em sites norte americanos, encontrará carros de US$1.000 e que são vendidos aqui no Brasil por mais de R$20.000. Isso em um mercado de usados.

O custo Brasil: começando a explicar os preços absurdos praticados no mercado brasileiro

Somos um país atrasado, em todos os aspectos. Em praticamente todos os setores da economia, importamos a tecnologia necessária para produção. Não pagamos royalties em todos os casos, mas não podemos dizer que temos tecnologias 100% brasileiras. Além disso, nossas empresas investem muito pouco em inovações tecnológicas, o que acaba encarecendo nossos produtos, que não evoluem na mesma velocidade que o mercado demanda. Temos empresários e governos conservadores, que arriscam muito pouco para inovar. Criamos uma economia extremamente sólida, mas minamos a inovação, que é o motor das economias modernas.

Custo Brasil

Os problemas de infraestrutura do Brasil prejudicam a todos, principalmente nossa indústria. (Foto: correrparacrer.wordpress.com)

Por isso, enquanto fábricas de carros vem para o Brasil fabricar seus veículos aqui, nós não levamos nenhum produto com tecnologia nossa para fora. Salvo a Embraer, mas não conheço ninguém que queira comprar um avião. Você conhece?

Além disso, temos uma infraestrutura péssima para o transporte de cargas e produtos. Ferrovias da época do império, falta de investimentos em hidrovias e ferrovias, estradas esburacadas, portos com baixa tecnologia e com péssima infraestrutura e pessoal para lidar com as exportações e importações que chegam de navio, aeroportos pequenos e mal administrados. De acordo com reportagem da Super Interessante, enquanto paga-se R$35,00 para transportar uma tonelada de soja, aqui paga-se R$160. Os custos são repassados ao consumidor final.

Se este consumidor está fora do Brasil, nossos produtos se tornam menos competitivos. Com isso, temos de exportar produtos de melhor qualidade para fora do país e deixar a qualidade mais ou menos para nós. Mesmo assim, pagamos valores do produto de “melhor qualidade” por um de qualidade mediana. É só comparar a qualidade da nossa gasolina com a do exterior. Seja exportando ou vendendo no Brasil, pagamos o Custo Brasil das empresas.

Impostos por todos os lados

São 108 dias trabalhados no ano só para pagar impostos e fazer todos os procedimentos relacionados a eles. Nos países desenvolvidos, a média cai para uma semana. Para você ter uma ideia do quão burocrático isso é, abrir uma igreja no Brasil, por exemplo, demora apenas um dia e não tem que pagar impostos. Então não é questão de ser impossível ou difícil melhorar.

Temos impostos municipais, estaduais e federais. Fora isso, eles são divididos em vários outros, que podem ser maiores ou menores dependendo das atividades desenvolvidas pela empresa. Quando tentamos importar, ainda por cima, criam-se barreiras para defender as empresas brasileiras, barreiras em formas de impostos. Não somos capazes de produzir produtos de alta tecnologia e ainda taxamos os produtos que vem mais barato do exterior, resultando nos altos preços pagos aqui. Estes impostos são então inclusos no valor final do produto, juntamente com os “custos” de trazer tecnologias para produzir aqui.

Lembrem-se também que após esses 108 dias para pagar impostos, uma empresa ainda tem que ter lucro. Crescer então, em um ambiente extremamente fechado, conservador e elitista, que é o Brasil, fica difícil. Não vai ser tão cedo que veremos um carro realmente brasileiro, como era com os veículos da Engesa, que até tem boa qualidade, mas a empresa não foi bem administrada.

Só para você ter uma ideia de como são “burrocráticos” nossos impostos, o pai de um amigo é dono de uma das maiores lojas de peças automotivas em Minas Gerais. Ele tem mais de R$1,5 milhão em peças no estoque, porque ele precisa ter essas peças para suprir o mercado quando for necessário. Isso são peças que ainda não foram vendidas e ele PAGA IMPOSTOS SOBRE AS PEÇAS NÃO VENDIDAS, enquanto o correto e inteligente seria cobrar os impostos a partir do momento da venda das peça. Imagine em momentos de crise? Se ele não vender as peças todas a preços menores, ele vai falir, ao mesmo tempo que se vender peças a preços menores, tomará prejuízos altos, diminuindo demais seu lucro. Dá até pra entender por que uma empresa se desmotiva a investir em inovação nesse cenário.

Impostos do Brasil

Pagar impostos não seria tanto um problema se nós tivéssemos um retorno deles. Mas onde está nosso dinheiro investido? (Foto: portalsaofrancisco.com.br)

O Lucro Brasil: fazendo o brasileiro de trouxa

Somos pobres. O acesso à informação de qualidade no Brasil é limitado. Quando o povo tem acesso à informação, não tem educação suficiente para poder filtrá-la e absorver o que é mais importante. Falo isso tanto de quem teve acesso à educação pública quanto privada.

Por isso, é muito mais comum você ver pessoas conversando sobre os outros, sobre coisas que outras pessoas tem do que conversando sobre ideias, fatos, viagens. Assistimos ao BBB, compramos revistas de fofocas e assistimos novelas porque elas falam de outras pessoas. Pode parecer birra minha isso, mas não é. Tente passar uma noite sem falar mal de uma pessoa sequer em uma conversa. Garanto que ninguém deixará passar dez minutos sem fazer um comentário sobre outra.

Quem tem um carro mais arrumado, sabe que isso é verdade. São vizinhos que começam a comentar, amigos que começam a te olhar meio torto, brincadeiras sobre como você comprou aquele carro. E alguns até podem zoar com você, caso tenha comprado um carro popular. Afinal, um carro popular não tem status. E um país pobre em ideias, pobre de pensamentos, tenta fazer a política da “fumaça e espelhos”, fingindo que somos tudo de bom no mundo mas, na verdade, por trás de uma bela maquiagem de carnaval, temos uma grande pobreza, em todos os aspectos da palavra.

Você pode até achar que você não está incluso aqui. Mas quantas foram as vezes que você foi comprar um produto e viu outro, um pouco mais caro, e o comprou, só porque achava que mais caro era melhor? Aposto que já quis pagar também R$150,00 em uma camisa da Calvin Klein, sem ao menos saber que a mesma camisa custa apenas US$20 dólares nos EUA e estava em promoção porque a temporada estava acabando.

Lucro Brasil

Um comparativo de 2012 mostrando os preços fora do Brasil e aqui. (Foto: politicasemgraca.blogspot.com)

Gastamos muito, poupamos pouco e não sabemos investir nosso dinheiro. Em todos os lugares do mundo moderno, investir em imóveis para capitalização é um mal negócio. Só no Brasil ainda o vemos como um bom negócio. Até comprar carros aqui vemos como um investimento, sendo que deveria ser tratado como um custo.

Então nossa falta de conhecimento e posicionamento faz com que empresas usem nossa inocência para faturar em cima da gente. Elas, ao invés de tentar lucrar pela quantidade, vão pela suposta qualidade de seus produtos, colocando preços mais caros. Carros vendidos como modelos populares lá fora, chegam aqui como modelos de alta performance. E você paga por isso, feliz e sorridente. Pois um imposto alto por si só não explica os valores absurdos cobrados pelos veículos. A demanda pelos carros caros não abaixa, os preços continuam altos e você continua pagando.

Pensamentos finais

O preço dos carros continuará alto enquanto tivermos empresas que se aproveitam do brasileiro, o Governo ineficiente com nossos impostos e que investe pouco em infraestrutura e um povo que não toma uma atitude porque acha que pagar mais por algo é status. Isso pode até mudar algum dia. Mas vai começar contigo. Se pararmos de ter a mania de comprar um carro zero, e tentarmos comprar carros antigos, bem conservados, mas mais baratos, criamos uma concorrência. A demanda baixa. A oferta aumenta. E o resultado são preços mais baixos. Mas será que você está disposto a fazer esse sacrifício?

Um comentário para “Por que carros no Brasil são tão caros?”

  1. Marcelo Israel

    Otima explicação, melhor impossivel, parabéns

    Responder

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)