Este artigo resume o gás natural (GN) como combustível de transporte, os três tipos básicos de sistemas de abastecimento de veículos a GN e os componentes básicos de um veículo a gás natural comprimido (GNV). O interesse em veículos movidos a gás natural aumentou substancialmente nos últimos anos, à medida que as pessoas buscam alternativas de custo mais baixo à gasolina e ao diesel.

Manter esse sistema bem regulado garantirá um menor consumo de combustível e um melhor desempenho do motor.

Como regular o GNV?

O GNV varia na regulagem de acordo com a geração da qual ele provém. Há modelos mais recentes com regulagens mais automáticas e fáceis de fazer. Mas mesmo os modelos mais modernos ainda precisarão de algum tipo de regulagem.

O ideal é procurar um técnico qualificado para fazer seu GNV. Mas caso não seja possível, as etapas não são tão difíceis.

No redutor, você geralmente terá dois parafusos: um de pressão e um de marcha lenta.

Geralmente é necessária uma chave de fenda para virar o de marcha lenta, enquanto o de pressão pode ser regulado manualmente.

Primeiro, abra tudo nas válvulas do Y. Depois, vá para o parafuso de marcha lenta no redutor e comece a regular.

Verifique o parafuso de pressão.

Você pode monitorar a rotação do motor, e usar a mesma rotação de marcha lenta para gasolina ou “sentir” o motor, e perceber quando ele chacoalhar menos. Esse é o ponto de regulagem ideal.

Os parafusos do Y do primeiro e do segundo estáfio devem ser apertados pela alavanca da aceleração. A válvula do Y deve ir sendo fechada. Quando a aceleração diminuir, é necessário voltar um pouco e fazer o mesmo com a válvula do segundo estágio, acelerando um pouco.

Observação: a lenta deve ser ajustada no redutor, a peça que faz a redução da pressão dos cilindros para a alimentação do veículo. A riqueza da mistura é feita através das válvulas. A regulagem do GNV deve vir antes da regulagem do carburador.

Benefícios e desafios para os veículos a gás natural

Benefícios:

  • Preços mais baixos na bomba.
  • 20%a 30% menos emissões de gases do efeito estufa e 95% menos emissões do tubo de escape versus gasolina.
  • Vida útil prolongada do motor.
  • Energia produzida internamente.
  • Experiência de condução semelhante à dos veículos convencionais.

Desafios:

  • Custos substanciais iniciais.
  • Lugares limitados para reabastecer.
  • Seleção limitada de veículos.
  • Tempos de reabastecimento mais longos.
  • Menor alcance de condução vs. gasolina ou diesel.

Tipos de veículos GNV

Existem três tipos básicos de veículos a gás natural (GNV), cada um com suas próprias aplicações exclusivas:

1. Dedicado

Esses veículos são projetados para rodar apenas com gás natural. Os GNV dedicados podem demonstrar melhor desempenho e ter emissões mais baixas que os veículos bicombustíveis. Como os GNVs dedicados possuem apenas um tanque de combustível, eles não são tão pesados ​​quanto os GNVs bicombustíveis e podem oferecer mais capacidade de carga.

2. Bicombustível independentes

Esses veículos têm dois sistemas de combustível separados que permitem que funcionem com gás natural ou gasolina. A principal vantagem de um veículo bicombustível é que ele pode utilizar totalmente o GNV mais barato, mas mantém a flexibilidade de um sistema a gasolina se o GNV não estiver disponível em um local específico.

Regulando o GNV

O GNV pode precisar de regulagem para evitar problemas no consumo. (Foto: NGV Communications Group)

3. Bicombustível dependente

Esses veículos possuem sistemas de combustível que funcionam com uma mistura de gás natural e diesel. Geralmente esses veículos começam com diesel e depois passam para uma mistura controlada de gás natural e diesel. Os veículos com duplo combustível são tradicionalmente limitados a aplicações pesadas, como caminhões rodoviários e motores a diesel off-road.

Independentemente do sistema de combustível (dedicado, bicombustível, bicombustível), a maioria dos GNVs oferece níveis semelhantes de desempenho do motor e eficiência de combustível que seus equivalentes alimentados convencionalmente. O alcance de condução dos GNVs geralmente é menor que o dos veículos convencionais comparáveis, devido à menor densidade de energia do gás natural. Tanques de armazenamento extras podem aumentar o alcance, mas o peso adicional pode prejudicar o desempenho do veículo e deslocar a capacidade da carga útil. Tanques adicionais também podem aumentar significativamente os custos com veículos.

Componentes para veículos GNV

Como ilustrado no gráfico acima, um veículo a GNV tem sete componentes básicos. O tanque de armazenamento de GNV geralmente está localizado no porta-malas de um carro de passeio ou na cama de uma caminhonete leve. As linhas de combustível de alta pressão (3.600 psi) fornecem gás natural do tanque de GNV através de filtros de combustível para um regulador de pressão.

A partir daí, as linhas de pressão mais baixa (150 a 700 psi) fornecem gás natural ao motor. No compartimento do motor, os trilhos e injetores de combustível medem e injetam gás natural nos cilindros, exatamente como em um motor a gasolina convencional. Um módulo de controle eletrônico gerencia o sistema e otimiza o desempenho do veículo.

  • Recipiente de enchimento (3.600 psi)
  • Tanque de armazenamento de GNV
  • Seletor de combustível montado no painel
  • Filtros de combustível de alta pressão
  • Regulador de pressão
  • Linha de combustível e injetores de GNV
  • Módulo de controle eletrônico

Custos Incrementais de veículos GNV

Os custos incrementais na compra de um veículo novo a gás natural ou na conversão de um veículo existente podem variar muito, dependendo da geração e do modelo de GNV. Para caminhões pesados, os custos podem começar muito mais altos. Calculadoras online podem te ajudar a medir os custos e benefícios do GNV, além de pesquisar os valores.

Com esse número, você pode calcular quanto tempo levará para “reembolsar” seus custos adicionais de veículo e começar a ver um retorno do seu investimento em GNV.

Ficou alguma dúvida? Deixem nos comentários suas perguntas!

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)