A transmissão automática é o segundo item mais caro para substituir em seu veículo, só perdendo para o motor em custo. A maioria dos proprietários não sabe nada sobre sua transmissão ou como cuidar dela corretamente. Sem algum tipo de cuidado, transmissões automáticas podem falhar em com menos de 50.000 km. É por isso que você precisa de um especialista em transmissão. Com o mínimo de cuidado, você provavelmente vai superar os 100.000 km com sua transmissão. Enquanto isso soa como muito tempo, só leva cerca de 7 anos para colocar 100.000 km no seu carro, isto é, se você dirige a média de 15.000 km por ano. Incrível, não é? Mas quais os cuidados que sua transmissão merece? Vamos entender primeiro o que determina a vida útil de um sistema de transmissão automática de um veículo.

Durabilidade do câmbio automático: a qualidade da transmissão

Todas as transmissões são compostas de centenas de partes diferentes, cada uma das quais sujeitas às mesmas leis físicas que governam todas as outras transmissões no mundo. Então, se e quando estas leis são quebradas, a transmissão vai quebrar, sempre. Mais importante ainda, as transmissões são frequentemente ligadas a outras partes do motor, incluindo os sistemas de refrigeração, chassis e sistemas eletrônicos. Se o veículo está tendo problemas em qualquer uma dessas áreas, isso também pode afetar o desempenho da transmissão.

A melhor maneira de conceituar a durabilidade de um câmbio automático é lembrar que a transmissão não é uma parte isolada do veículo. Ela está conectada a outras partes em centenas de maneiras. Assim sendo, há também a própria transmissão. Ela é composta de freios, transportadores e engrenagens. Contém circuitos hidráulicos, pressostatos complexos e bombas. Ela também abriga uma variedade de eletrônicos sensíveis. É esta quantidade variável de complexidade que serve como a razão principal para por que as mudanças de um sistema de transmissão geralmente levam tanto tempo. Felizmente, a manutenção adequada pode garantir que a sua transmissão dure muito tempo.

Em geral, a vida útil de um câmbio automático é de mais de 100.000 km. Em usos mais extremos, como veículos usados diariamente em tráfego pesado, ou em estradas e vias em má conservação, essa vida útil pode cair para 70.000 km. Mas com certeza, com uma manutenção preventiva, você pode dobrar essa durabilidade dos componentes, sem ter que se preocupar com peças quebrando na transmissão e os reparos caros que podem resultar dessa quebra.

Por que fazer manutenção da transmissão

Uma transmissão automática tem uma vida útil muito longa, mas depende da manutenção preventiva que é dada a ela. (Foto: Compare Factory)

Durabilidade cambio automático: a forma como você dirige influencia na durabilidade

Seus hábitos de condução também desempenham um papel enorme em quanto tempo sua transmissão vai durar. Se você não colocar uma quilometragem alta demais em seu veículo, e se você manter adequadamente a sua transmissão, ela deve durar tanto quanto o próprio veículo. No entanto, este nem sempre é o caso. Certas marcas podem ser exemplos de transmissões relativamente duráveis, enquanto outras podem ter transmissões um tanto quanto problemáticas. Certas transmissões vem com várias modificações que permitem a elas operar de forma muito mais eficiente, incluindo atualizações para o corpo de válvulas do acumulador e sistema de regulador de pressão. Tudo isso ajuda na adaptação melhor da transmissão a diferentes estilos de direção. Exemplos de transmissões que duram mais de 200.000 km são comuns, mas só vale para mostrar que a transmissão, quando bem cuidada, pode durar mais do que até o motor. A transmissão média tem um duração entre 5 e 8 anos sem precisar de manutenção pesada. Esse período é reduzido consideravelmente se você tiver hábitos de condução mais agressivos.

Mas como então fazer a transmissão durar mais tempo? Será que mudar o câmbio para neutro no semáforo influencia a durabilidade da transmissão?

Faça manutenção regular da sua transmissão

Independentemente do que a fabricante recomendar, os especialistas em transmissão automática fazer a seguinte recomendação: mude o óleo e filtro da transmissão a cada 20.000 km a 30.000 km, dependendo de seus hábitos de direção. A fábrica recomendará geralmente um intervalo muito mais longo antes da mudança dos fluidos. Faça um flush completo da transmissão, incluindo o conversor de torque, o radiador da transmissão e o sistema de arrefecimento a cada 40.000 km a 60.000 km. Ajuste a transmissão (se possível) a cada 60.000 km a 80.000 km. Enquanto este serviço extra vai custar mais, é muito mais barato do que ter que substituir peças da transmissão ou a transmissão inteira.

Atualize o fluido da transmissão que você está usando para um fluido sintético

Atenção: só faça isso se for recomendado por um especialista de transmissão automática e por sua conta e risco. Só um especialista pode escolher o fluido correto para sua transmissão. Fluidos sintéticos suportam muito melhoro calor e resistem mais a virarem borra do que líquidos à base de petróleo. Eles também mantêm suas propriedades melhor ao longo de um período de tempo mais longo. O tipo errado de fluido de transmissão sintética pode rapidamente destruir sua transmissão. Novamente, você vai gastar um pouco mais em fluido sintético em comparação com o tipo orgânico, mas é dinheiro bem gasto e investido.

Invista em um líquido de arrefecimento de qualidade

O calor é de longe o assassino número um das transmissões automáticas. Para cada 20 graus você vai acima de 200 graus, você está cortando a vida útil da transmissão por um multiplicador de dois. Isso significa que a 220 graus você só pode esperar sua transmissão pela metade do tempo do qual foi projetada. A 240 esse número cai para ¼ e em 260 cai para 1/8. Para obter os melhores resultados, monte o cooler na linha que sai do refrigerador de fábrica. Para um pouco de seguro extra, compre um resfriamento de transmissão com ventoinha, e coloque ela bem posicionada para o melhor arrefecimento possível do sistema de câmbio automático.

Curiosidade: para que serve o neutro no câmbio automático?

O neutro no câmbio automático é fonte de muitas controvérsias. Várias são as pessoas que acham que devem usar o neutro na posição X ou Y para melhorar a vida útil da transmissão. E elas não estão tão erradas assim.

O neutro ou ponto morto do veículo deve ser usado quando forne necessário ligar o motor sem que o carro ande como, por exemplo, em situações de reboque do veículo ou manutenção. É também recomendado colocar a transmissão no neutro quando o carro está parado em congestionamentos ou no semáforo, poupando trabalho do câmbio automático. Porém, manter o neutro ligado em descidas além de perigoso, não provoca qualquer economia significativa para a transmissão ou combustível, além de ser extremamente arriscado.

Como e onde fazer a manutenção da transmissão do veículo?

Você precisa de um especialista em transmissão que escuta suas necessidades e lhe dá atenção personalizada. Enquanto você ler este artigo, pode ser tarde demais para fazer qualquer coisa para ajudar a sua transmissão. Pelo menos agora você sabe o que fazer para não ter problemas com ela, ou evitar que eles aconteçam quando você menos esperar.

Seu carro tem transmissão automática? Já teve algum problema com ela? Qual a manutenção que você dá para sua transmissão automática?

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)