Como funciona o sensor de estacionamento?

Escrito na categoria "Acessórios e opcionais" por André M. Coelho.

De uns três anos para cá, se tornou bastante comum o uso do sensor de estacionamento. Alguns carros oferecem o acessório como item de série e outros como opcional.

Alguns modelos não oferecem nenhuma das opcões acima e o jeito é adquirir e instalar o acessório em alguma loja que comercializa o produto.

O sensor traseiro é o mais comum porém, há veículos mais sofisticados que oferecem o sistema também na dianteira e na lateral. Há quatro tipos de sensores que são os mais comuns: o que emite apenas som, o que possui avisos luminosos, o que oferece um display mostrando a distância entre o objeto e o veículo e o que possui câmera de ré.

Independente do tipo de sensor, o princípio de funcionamento é o mesmo. O sistema funciona atráves da tecnologia de ultrassom, a mesma usada nos radares móveis e de avião.

O sensor emite uma frequência sonora inaudível ao ouvido humano que reflete no objeto e volta emitindo um sinal. Assim, a distância é calculada através do tempo que o sinal gasta para regressar do objeto ao sensor.

Sensor de estacionamento

O sensor de estacionamento traseiro é um item muito comum hoje em dia

Mesmo em veículos que possuem um painel de visualização, o sensor costuma emitir um sinal sonoro que muda de intensidade à medida que o veículo se aproxima do objeto.

Caso o sensor não emita nenhum sinal,  pode ser que o objeto esteja muito distante ou em uma posição na qual a frequência sonora não conseguiu refletir (situação muito comum quando o objeto é muito pequeno).

De qualquer maneira, acho esse acessório bastante útil e que ajuda em diversas situações nas quais não temos visibilidade. Sem contar que alguns sensores são bem em conta e fáceis de instalar.

Aproveite e veja quais os carros mais econômicos do Brasil e se é errado usar o freio de mão como auxílio ao arrancar nas subidas.

Sobre o autor

Autor André M. Coelho

O pai de André já teve alguns carros clássicos antes de falecer, como Diplomata, Chevette e Opala. Após completar 18 anos, tirou carteira de moto e carro, comprando então sua primeira moto, uma Honda Sahara 350. Fez um curso de mecânica de motos para começar uma restauração na moto, e acabou aprendendo também como consertar alguns problemas de carros. Seu primeiro carro foi uma Nissan Grand Livina de 2014 e pretende em breve comprar uma picape diesel. No caminho, vai compartilhando tudo que aprende no site Carro de Garagem.

Deixe um comentário