Uma expressão muito usada no setor automobilístico e nos manuais de intruções dos veículos é “uso severo”.

A maioria das pessoas não sabe o que essa expressão realmente significa e a consideram como muito uso, um veículo que é usado com muita frequência.

Porém, ao contrário do que muitos pensam, a expressão “uso severo” muitas vezes é o oposto. São diversas as situações que podem ser consideradas como uso severo:

  • Situações em que o veículo tem bastante contato com alto índice de partículas suspensas ( veículos que trafegam próximo a siderúrgicas, indústrias mineradoras, de cimento, marmorarias, etc)
  • Trânsito frequente em vias com de tráfico intenso, o motor permanece muito tempo em marcha lenta ou realiza paradas frequentes
  • Quando o veículo é pouco utilizado, menos de 10 km por dia.
  • Uso constante do reboque
  • Constantes viagens com carga máxima ou bastante peso
  • Trânsito frequente em vias de terras, sem pavimentação ou em condições ruins
Congestionamento

Veículos que trafegam constantemente em vias congestionadas se enquadram dentro do uso severo

Como pudemos ver acima, atualmente, a maioria dos carros dos grandes centros urbanos passam por alguma situação de uso severo. Assim, os proprietários precisam dar manutenção preventiva nos veículos.

O uso severo faz com que as peças sofram desgaste prematuro. A pouca quilometragem não significa que o carro tem pouco uso já que, quando ligado, o motor e as peças ficam em constante funcionamento (é o caso dos veículos que transitam em tráfego intenso).

Em veículos que se enquadram em alguma situação de uso severo, é necessário ter os seguintes cuidados (em média a cada 6 meses ou 7.500 km):

  • Verificar a correia dentada, discos e pastilhas de freio, além da pressão e consição dos pneus
  • Verificar se não há danos ou vazamentos nos reservatórios e componentes da transmissão e motor
  • Substituir bujão de escoamento com anel de vedação, óleo do motor, filtro de óleo, de combustível e de ar

Se você seguir todos os passos citados acima, não terá dor de cabeça com o seu carro tão cedo. Como diz o ditado, melhor prevenir do que remediar!

Aproveite e descubra quais os itens de segurança que valem a pena inserir no seu próximo carro.

 

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)