O que é um motor de popa?

Escrito na categoria "Dúvidas automotivas" por André M. Coelho.

Até que os motores fossem inventados, a única maneira de mover um pequeno barco era com remos ou velas. Pode ter sido calmo e elegante, mas demorou muito para chegar a qualquer lugar rapidamente – e você tinha que confiar que havia vento ou força muscular disponível. Os motores de popa mudaram tudo isso.

Inventados nos primeiros anos do século 20, os motores de popa trouxeram aos pequenos barcos a mesma liberdade que os motores a gasolina trouxeram para os carros. Vamos dar uma olhada nessas máquinas úteis, descobrir como elas funcionam e como escolher um para seu barco.

O que é um motor de barco de popa?

Se você já leu um artigo sobre motores de automóveis, sabe que eles produzem movimento ao queimar gasolina com oxigênio em cilindros de metal. Os cilindros têm pistões deslizantes que empurram uma manivela e a manivela aciona um eixo que (eventualmente) aciona as rodas. Quase o mesmo acontece em um motor de popa. A principal diferença é que geralmente há menos cilindros, operando em um ciclo de dois ou quatro estágios.

Em vez de acionar uma caixa de câmbio, o motor aciona uma hélice. Para dirigir um barco com motor de popa, você simplesmente inclina toda a carcaça do motor para que a hélice empurre a água para longe dela em um ângulo. Alguns motores de popa você pode inclinar com a mão; outros são dirigidos girando um volante que inclina o motor usando cabos hidráulicos. Você pode ir mais rápido abrindo o acelerador para que o motor de popa queime mais combustível e vire mais rapidamente.

Como funciona um motor para barco de popa?

A teoria é diferente da prática.

Na teoria:

Combustível queima no cilindro (ou cilindros) para gerar energia. Há um tanque de combustível (não mostrado) dentro da caixa do motor na parte superior, grande o suficiente para conter talvez 23 litros de gasolina. Quanto mais pesado seu barco, mais rápido você o dirige, mais agitada a água, mais carregado ou mais baixo na água, mais combustível você queimará.

Alimentado pela queima e expansão de gases combustíveis, um pistão se move para frente e para trás no cilindro. É exatamente como o pistão no cilindro do motor de um carro e geralmente funciona através do mesmo processo de quatro etapas (ciclo de quatro tempos), embora alguns motores de popa usem um ciclo de dois tempos mais simples.

A haste do pistão gira o virabrequim, convertendo o movimento para frente e para trás (alternativo) do pistão em movimento redondo e redondo (rotativo).

O virabrequim gira o eixo de transmissão principal que desce pela longa coluna do motor.

Uma pequena caixa de engrenagens na parte inferior do eixo de transmissão converte o movimento giratório vertical em movimento giratório horizontal.

A hélice acionada por engrenagens girando horizontalmente aciona o barco na água.

Escolhendo motores de popa

A escolha de um bom motor de popa passa por critérios essenciais para escolher o modelo seguro e garantido para seu barco. (Foto: Aussie Boat Loans)

Na prática:

Motores reais são um pouco mais complexos do que podemos descrever, mas vamos resumir ao máximo.

Volante do motor – Uma roda pesada que aumenta o ímpeto à medida que o motor acelera, ajudando a manter uma rotação uniforme e estável.

Motor de arranque – Normalmente, você ligaria um motor externo eletricamente, assim como ligaria um carro. Se isso não for possível, você pode prender um cabo de tração ao volante e puxá-lo vigorosamente para “dar partida” ao motor. Há um entalhe especial no volante onde você conecta o cabo.

Virabrequim – Coleta a energia dos pistões do motor, que disparam ligeiramente fora de sintonia para manter o motor funcionando a uma velocidade constante

Cilindros – Este motor possui três cilindros dispostos horizontalmente. Um motor de popa de três cilindros de tamanho médio como este produz algo em torno de 40-50 cavalos de força. É uma máquina bastante robusta, pesando 86 kg.

Pistões – Movem-se para frente e para trás nos cilindros, impulsionados pela energia liberada pela queima de combustível e transferindo essa energia para o virabrequim.

Carburadores – 3 carburadores separados combinam combustível com ar para fazer uma mistura explosiva, sendo um para cada cilindro.

Árvore de cames – Abre e fecha as válvulas do cilindro que permitem a entrada de combustível e a saída de gases de escape.

Bomba de combustível – Envia combustível para os carburadores.

Velas de faísca – Acende o combustível nos cilindros.

Suporte de montagem – Onde o motor se conecta à parte traseira do barco e gira para cima e para baixo.

Eixo de transmissão – Transporta a força do virabrequim até as engrenagens. Pense nisso como uma espécie de “espinha giratória”, descendo direto pelo centro do motor, ligando os cilindros na parte superior às engrenagens e a hélice na parte inferior.

Placa antiventilação / cavitação – Cavitação é o que acontece quando uma hélice girando agita o ar ou o gás de exaustão do motor na água. Bolhas se formam e explodem, que, com o tempo, desgastam a superfície da hélice. A placa anti-cavitação é projetada para reduzir esse problema, mas a cavitação ainda pode ser causada por detritos flutuantes interrompendo o fluxo suave de água ao redor das pás da hélice.

Transmissão – As engrenagens e a embreagem (às vezes centrífuga no design, como a de uma motosserra) estão aqui dentro.

Hélice.

Tipos de motores de popa: 4 tempos ou 2 tempos

Existem dois tipos de motores fora de borda: dois tempos e quatro tempos. Existem muitas diferenças entre os dois e algumas das principais são mencionadas aqui. Os motores de dois tempos são geralmente mais leves com a mesma potência do que os motores de quatro tempos e, portanto, têm uma boa relação potência / peso, mas muitos deles não atendem aos padrões de emissões.

Os motores de dois tempos funcionam com uma mistura de gás e óleo, enquanto os motores de quatro tempos usam apenas gasolina. Os motores de quatro tempos são mais silenciosos e, como o óleo é adicionado ao motor e não ao combustível como em um dois tempos, eles têm melhor economia de combustível.

Estas são as principais diferenças entre os dois motores. Outro fator no consumo e uso de combustível é o tipo de injeção de combustível que o motor usa. Existem três tipos de injeção de combustível, explicados na próxima seção.

Tipos de injeção de combustível para motores de barco

Os três tipos de injeção são injeção direta de combustível (DFI), injeção eletrônica de combustível (EFI) e sistemas carburados. Os sistemas carburados existem há mais tempo e funcionam controlando as quantidades de fluxo de ar e combustível que entram no motor. Um sistema EFI usa sistemas eletrônicos para controlar a entrada de ar e combustível, enquanto um sistema DFI – como o nome indica – injeta combustível diretamente nos cilindros do motor.

Os sistemas carburados são os mais baratos, mas essa vantagem inicial logo é ofuscada pelo fato de que sua economia de combustível é inferior aos sistemas DFI e EFI.

Considere a potência do motor de barco: pequeno, médio, ou grande

As considerações acima são em grande parte uma questão de escolha pessoal. Grande parte da escolha da potência, no entanto, é predeterminada pelo tipo e tamanho do seu barco. Você tem alguma margem de manobra, dependendo da velocidade que deseja ir, de quanto deseja pagar pelo combustível e de quantas pessoas planeja ter em seu barco, mas uma vez que esses cálculos sejam feitos, sua escolha será muito direta e fácil .

Se você está comprando um motor para um pequeno barco, como um inflável, um bote ou mesmo uma canoa, não vai querer exceder cerca de 10 cavalos de potência, dependendo do tipo exato do barco. Esta faixa de potência também é útil para veleiros menores, pois os veleiros não precisam ir tão rápido quanto os barcos a motor. Esses tipos de motores costumam ser ideais para passeios de barco no lago ou em águas que são sempre relativamente calmas. Com essa potência, a quantidade de peso que você tem no barco fará uma grande diferença em sua velocidade, portanto, pense bem no que você precisará antes de comprar.

Se você estiver usando barcos com cerca de 10-15 pés de comprimento, como barcos de alumínio ou fibra de vidro que são relativamente leves e não precisam de uma grande quantidade de potência, um motor na faixa de 15-20 cavalos deve atender às suas necessidades muito bem. Esses motores são potentes o suficiente para levá-lo aonde você precisa ir, se a distância não for muito grande. Lembre-se também de que, em muitos casos, esses motores ainda são os melhores para lagos, já que não precisam compensar o percurso acidentado sobre as ondas.

Para barcos com comprimentos entre 15 e 25 pés, a gama de opções é bastante grande, dependendo da construção e da finalidade do casco. Os barcos e esquifes usados ​​para pesca costeira e excursões podem funcionar com motores de 75 a 90 cavalos de potência, enquanto os barcos de comprimentos semelhantes que precisam de velocidade mais rápida e viagens mais longe podem precisar de potência de até 300 cavalos.

Se o seu barco tiver mais de 25 pés de comprimento, uma escolha popular é ter motores de popa gêmeos, geralmente na faixa de 200-300 cavalos de potência. Essa potência extra é necessária para barcos que viajam muito longe da costa, especialmente se forem passar tempo pescando ou outras tarefas semelhantes – você precisa ser capaz de chegar lá rapidamente e retornar ao porto antes do anoitecer. Se você tiver um barco esportivo, mesmo que tenha menos de 25 pés, sua potência provavelmente estará nesta faixa. Se você tem um barco esportivo maior e planeja usá-lo para o fim a que se destina com frequência, provavelmente terá uma potência de 300 a 400 cavalos.

A coisa mais importante a fazer ao escolher um motor de popa é certificar-se de fazer sua pesquisa e pensar cuidadosamente sobre o seu barco. Prepare-se adequadamente para o uso que o barco verá e seu motor durará um bom tempo no futuro.

Ficou alguma dúvida? Deixem nos comentários suas perguntas!

Sobre o autor

Autor André M. Coelho

O pai de André já teve alguns carros clássicos antes de falecer, como Diplomata, Chevette e Opala. Após completar 18 anos, tirou carteira de moto e carro, comprando então sua primeira moto, uma Honda Sahara 350. Fez um curso de mecânica de motos para começar uma restauração na moto, e acabou aprendendo também como consertar alguns problemas de carros. Seu primeiro carro foi uma Nissan Grand Livina de 2014 e pretende em breve comprar uma picape diesel. No caminho, vai compartilhando tudo que aprende no site Carro de Garagem.

Deixe um comentário