Todos os carros de tração dianteira tem juntas homocinéticas em ambas as extremidades dos eixos de transmissão. Essas juntas conectam os eixos de transmissão à transmissão, além de conectar os eixos de transmissão às rodas. Muitos carros de tração traseira e de tração nas quatro rodas, bem como os caminhões também tem juntas homocinéticas além dos diferenciais.

Agora, quando a junta começa a quebrar com frequência ou estalar em certas situações, é aí que começamos a querer saber mais da existência dela e sua função. Vamos entender em detalhes.

O que é a homocinética?

As juntas homocinéticas são necessárias para transferir o torque da transmissão para as rodas motrizes a uma velocidade constante, enquanto se adaptam ao movimento para cima e para baixo da suspensão. Nos carros de tração dianteira, as juntas homocinéticas entregam o torque às rodas dianteiras durante o funcionamento. Existem dois tipos mais comumente usados de juntas homocinéticas: um tipo fixo/de velocidade constante e um tipo trípode/deslizante. Nos carros de tração dianteira, as juntas homocinéticas do tipo fixo são utilizadas no lado exterior dos eixos de transmissão, enquanto as juntas do tipo trípode são mais utilizadas no lado interno.

Como funcionam as juntas homocinéticas

As homocinéticas garantem que a transmissão entrega a potência do motor para as rodas da forma mais fluida possível. (Foto: Auto Service Professional)

Como saber se a homocinética está com defeito?

Uma homocinética vem sempre com uma graxa especial e é selada firmemente com uma coifa de borracha ou plástico, que é mantida no lugar com duas braçadeiras. Uma junta homocinética não precisa de qualquer manutenção e pode durar muito tempo, desde que a coifa não seja danificada. Não é raro ver um carro com mais de 100.000 km com as homocinéticas originais.

O problema mais comum com a homocinética é quando a coifa de proteção racha ou fica danificada. Uma vez que isso acontece, a graxa sai e a umidade e sujeira entram, fazendo com que a articulação desgaste mais rápido e, eventualmente, falhe devido à falta de lubrificação e à corrosão. Geralmente, as coifas externas estragam primeiro, pois tem de suportar mais movimento do que as internas. As coifas são normalmente inspecionadas durante as visitas de manutenção regulares. Seu mecânico vai procurar por rachaduras, rasgos e outros danos.

Homocinética quebrada: por que a homocinética estala?

A graxa que sai de uma pequena fenda ou rasgo é o sinal precoce da falha da homocinética. Se o dano é maior, você pode ver a graxa escura salpicada no interior da borda da roda e em torno da área dentro da roda motriz do veículo. Se um carro é conduzido com uma coifa da homocinética danificada, a coifa desgastará e falhará eventualmente.

Um sintoma mais comum de uma articulação desgastada é um som de estalo ao rodar com o carro. Geralmente o ruído fica mais alto quando se acelera em curvas. Na pior das hipóteses, uma junta desgastada pode até desintegrar-se durante a condução, provocando perda do controle do veículo.

Um outro sintoma de homocinética com falha é o tremor ou trepidação durante a aceleração. Uma junta homocinética desgastada também pode causar estalos quando mudando a marcha para a ré.

Testando a homocinética para o reparo

Se um uma coifa de homocinética danificada é diagnosticada cedo, simplesmente substituir a coifa e reengraxar a junta é tudo o que é normalmente necessário. Isso é muito mais barato do que substituir toda a homocinética ou eixo de transmissão. Os custos de substituição das homocinéticas variam, mas geralmente não passam de metade do valor do salário mínimo, principalmente para carros de modelos populares. Esse valor já inclui a mão de obra e o kit de reparo, que inclui uma nova coifa, graça, e braçadeiras.

Se uma homocinética está desgastada, não pode ser reparada, e ela terá de ser substituída por uma peça nova ou recondicionada. Às vezes, uma homocinética não é vendida separadamente do eixo. Neste caso, será necessário substituir todo o eixo da homocinética, o que pode custar entre 1 e 2 salários mínimos.

Se você está planejando substituir a coifa da homocinética ou um eixo de transmissão por conta própria, você precisará do equipamento apropriado para tal, inclusive as ferramentas especiais, e um torquímetro para aperto dos parafusos.

Troquei a homocinética e continua estalando. O que pode ser?

Se a homocinética continua estalando após a troca, pode ser devido a algumas questões. A primeira é a troca por uma homocinética de má qualidade, que já veio com algum defeito de fábrica.

A segunda causa pode ser que apenas a coifa da homocinética pode ter sido trocada, sem a inspeção apropriada das homocinéticas em si para quaisquer danos. Nesse caso, você pode até cobrar a garantia do mecânico para refazer o trabalho da forma correta.

A terceira causa é a troca da homocinética interna sem a troca ou inspeção da homocinética externa ou vice versa. Uma delas pode estar com defeito e não ter sido substituída, o que resultou na junta continuando a apresentar problemas.

Outras causas possíveis são: problemas na suspensão do veículo e problemas de alinhamento e balanceamento do carro. Estes devem ser verificados em qualquer situação de troca ou manutenção da homocinética, para garantir que os estalos não serão causados por esses problemas.

Ficou ainda alguma dúvida? Já sabe o que está causando seu problema com a homocinética? Se não sabe, deixe sua pergunta nos comentários e estaremos aqui para responder!

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)