Existem várias maneiras de fixar as rodas do carro para que elas possam deslocar-se para cima e para baixo nas molas e amortecedores, fazendo isso com a menor alteração possível na distância entre as rodas adjacentes ou no ângulo quase vertical dos pneus em relação à estrada. As rodas dianteiras devem estar livres para girar em seus pivôs de direção. As rodas motrizes, tanto dianteiras como traseiras, também devem estar livres para rodar com os eixos. Mais quais são os tipos de suspensão que possibilitam esses movimentos para proporcionar a melhor estabilidade a veículos?

Tipos de suspensão de carros: suspensão não independente

Um carro de tração traseira tem muitas vezes um eixo ativo, que é um tubo contendo tanto os eixos de transmissão quanto as engrenagens diferenciais. Um carro de quatro rodas motrizes (tração 4×4 ou 4×2) pode ter um eixo dianteiro dessa forma também. Um eixo morto, que é uma viga rígida, é usado na parte dianteira nas camionetes e nos caminhões somente. Alguns carros de tração dianteira têm um eixo traseiro morto. Um eixo rígido terá molas e ligações para evitar movimentos laterais. Como o nome diz, em todos esses sistemas, o eixo e a suspensão funcionam em conjunto, de forma dependente um do outro. A estabilidade é compartilhada entre os dois lados do eixo, bem como as vibrações e oscilações são também divididas entre os dois lados.

Funcionamento da suspensão de um veículo

Existem vários tipos de suspensão, que dependem do projeto do veículo. Cada uma delas com características distintas de funcionamento e construção diferentes. (Foto: Cartoq)

Tipos de suspensão automotiva: suspensão independente

Em vez de compartilhar um eixo comum, cada roda em um carro com suspensão independente é independentemente ligado ao corpo ou estrutura do veículo. Podem ser utilizadas diferentes combinações de mola. Quando as rodas accionadas estão independentemente suspensas, o diferencial é fixo à estrutura e acciona as rodas por eixos de acionamento articulados.

Existem cinco tipos de sistema de suspensão independente em uso atualmente:

Suspensão de duplo A ou double wishbone: são usados na maior parte das vezes nas rodas dianteiras. Há dois triângulos, um acima do outro, para manter a roda erguida à medida que ela sobe e desce, ligados a mola da suspensão para absorver os impactos.

Suspensão MacPherson: pode ser usada tanto nas rodas dianteiras quanto nas rodas traseiras. O cubo da roda é fixo rigidamente a um suporte tubular vertical, telescópico, que tem a sua extremidade superior ancorada ao chassis ou a uma estrutura reforçada. Nas rodas dianteiras, todo o suporte gira para permitir a condução do veículo. Os braços articulados estendem-se para dentro e para a frente, para manter a roda na posição vertical e resistir às forças de aceleração e de frenagem.

Braço de arrasto: é ligado ao cubo da roda em uma extremidade, e se estende para a frente para um pivô na armação. O braço pode ser alargado em uma forma de V com dois pivôs, quer lado a lado ou com o pivô interior ligeiramente atrás da parte frontal. Braços de arrasto são geralmente encontrados na parte traseira de veículos

Braço principal: usado apenas na frente, é o oposto de um braço de arrasto, com a roda posicionada à frente do pivô.

Eixos de oscilação: podem estar na frente ou na traseira. O sistema é como um eixo de feixes cortado ao meio e ligado a pivôs no quadro. Geralmente o semi-eixo é ampliado em um V com os pivôs dianteiros e traseiros impedindo a torção.

Barras estabilizadoras ou anti-roll bars

Os pivôs permitem que a barra se torça, mas em um grau limitado para que o rolamento seja controlado. Para impedir que os carros inclinem-se sobre os cantos, uma barra estabilizadora é usada, muitas vezes na parte dianteira, às vezes na parte traseira, e às vezes na parte dianteira e traseira. Trata-se de uma barra de torção cruzando o carro através de dois pivôs em lados opostos do quadro.

Fora dos pivôs a barra dobra para trás e uma extremidade é unida a cada roda, geralmente através de um ou duas buchas de borracha flexíveis. Quando uma roda se move para cima puxa para cima uma extremidade da barra e a outra extremidade puxa para cima a outra roda, mantendo o nível de carro. O rolamento limitado é permitido pela torção da barra.

Sistema de suspensão automotiva: funcionamento

Não importa o tipo de suspensão, todos os sistemas de suspensão tem um mesmo princípio de funcionamento, que explicamos ao alto em cada tipo de suspensão acima e no sistema de barra estabilizadora. Mas resumidamente, a suspensão funciona da seguinte maneira: as rodas são conectadas diretamente ao eixo ou através de um suporte que está ligado ao quadro do veículo. O suporte pode ser de um dos tipos de suspensão independente ou dependente que falamos acima. Essa conexão permite a roda girar e se movimentar para os lados, no caso das rodas dianteiras. Nos eixos ou nesses braços conectados às rodas, é colocada uma mola, que estende sua conexão do eixo até o corpo do veículo, na parte superior. Essa mola deforma-se quando o veículo passa por superfícies irregulares, mas ela só funciona para impactos mais pesados. Para aliviar o trabalho da mola e distribuir as cargas de amortecimento, no interior da mola ou em um sistema de braços, são instalados pistões hidráulicos que permitem otimizar o amortecimento do veículo. Em conjunto, os pistões e a mola são responsáveis por amortecer o impacto, mantendo o carro no mesmo nível e transferindo o mínimo possível de vibrações e alterações no pavimento aos passageiros e ao motorista. Então você tem um sistema de pistões e molas que ajudam a tornar sua viagem mais suave, evitando possíveis problemas com a falta de estabilidade.

Ficou ainda alguma dúvida sobre o funcionamento de um sistema de suspensão? Deixe suas dúvidas nos comentários e iremos responder o quanto antes!

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)