O que é barra estabilizadora?

Escrito na categoria "Dicionário de acessórios automotivos" por André M. Coelho.

Provavelmente, você já ouviu falar de barras estabilizadoras ou barra de suspensão de veículos. E você provavelmente sabe o que elas fazem, pois a pista para a função está, afinal, no nome. Elas são componentes do veículo que lutam contra o giro do corpo de um veículo. Mas como exatamente elas funcionam? Vamos tentar explicar com mais detalhes.

O que é a barra estabilizadora?

A parte em si é bastante simples. É um comprimento cilíndrico em forma de U de metal (normalmente aço) que une a suspensão de ambos os lados de um eixo geralmente por meio dos braços de controle. Geralmente, ela será presa ao chassi no meio em dois pontos com buchas de borracha. Quanto ao motivo de você querer uma, temos que olhar para alguns aspectos de seu funcionamento.

Como funciona a barra de suspensão ou estabilizadora?

Durante as curvas, a massa suspensa da carroceria será naturalmente deslocada para o lado externo do carro, também conhecido como rolamento da carroceria. Isso não é algo que você quer – conforme o carro inclina, as rodas começam a se inclinar, reduzindo o contato dos pneus. Rolagem excessiva também resulta em um carro que não é tão responsivo, pois vai demorar mais para reagir aos seus comandos enquanto tenta resolver.

Se você tiver uma barra estabilizadora instalada, a energia do lado mais carregado da suspensão será transferida através da barra por meio de uma força de torção, efetivamente “puxando” a roda do lado oposto do eixo em direção ao corpo. Isso não vai eliminar totalmente o rolamento, mas vai reduzi-lo drasticamente ao nivelar as forças em um eixo até certo ponto.

Barra estabilizadora de veículo

A barra estabilizadora proporciona maior segurança e estabilidade para um veículo. (Foto: Nengun Performance)

Desvantagem da barra estabilizadora

No entanto, há uma desvantagem: ter um lado da suspensão afetado pelo que está acontecendo na extremidade oposta nem sempre é ideal quando um carro está lidando com imperfeições na estrada. Afinal, é por isso que a suspensão independente é normalmente considerada a melhor configuração. Adicionar uma barra estabilizadora à mixagem é um meio-termo (embora necessário na maioria das vezes) e pode introduzir um movimento de sacudida enviado pela cabine que pode ser desconfortável e deixar o carro nervoso. Então, você não quer que a barra estabilizadora seja muito rígida – é um ato de equilíbrio entre conforto e desempenho.

Alguns fabricantes contornam esse problema – ao mesmo tempo que melhoram a eficácia da barra estabilizadora – instalando um sistema ativo. Isso substitui a peça única por duas barras de segurança projetando-se de um motor central. Sensores monitoram fatores como ângulo de direção e guinada e, quando necessário, aquela força de torção da qual falamos anteriormente é aplicada eletronicamente, levantando a roda menos carregada e neutralizando o rolamento.

Posso trocar ou tirar a barra estabilizadora?

Em termos de modificação do seu carro, as barras estabilizadoras do mercado de reposição podem melhorar a capacidade de curvas, ao mesmo tempo que alteram o equilíbrio do carro. Por exemplo, coloque uma barra de oscilação mais rígida na parte de trás de um carro com tração dianteira e reduzirá a subviragem, enquanto uma peça mais rígida em um carro com tração traseira reduzirá a sobreviragem.

É importante notar que uma barra estabilizadora de diâmetro maior não vai necessariamente ser mais rígida, pois algumas são ocas. O comprimento e a posição dos braços de alavanca também podem afetar a rigidez. Mais comumente vistas no mundo do automobilismo, as barras estabilizadoras ajustáveis ​​permitem que esses fatores sejam ajustados, oferecendo uma maneira rápida e fácil de ajustar o equilíbrio do carro às preferências do motorista.

Enquanto isso, no reino do off-road, alguns optam por remover totalmente as barras estabilizadoras, permitindo uma articulação do eixo muito maior.

Você já trocou as barras estabilizadoras do seu carro? O que você escolheu e por quê? Deixe-nos saber nos comentários.

Sobre o autor

Autor André M. Coelho

O pai de André já teve alguns carros clássicos antes de falecer, como Diplomata, Chevette e Opala. Após completar 18 anos, tirou carteira de moto e carro, comprando então sua primeira moto, uma Honda Sahara 350. Fez um curso de mecânica de motos para começar uma restauração na moto, e acabou aprendendo também como consertar alguns problemas de carros. Seu primeiro carro foi uma Nissan Grand Livina de 2014 e pretende em breve comprar uma picape diesel. No caminho, vai compartilhando tudo que aprende no site Carro de Garagem.

Deixe um comentário