Luz da injeção eletrônica piscando no painel! O que fazer?

Escrito na categoria "Dúvidas automotivas" por André M. Coelho.

Quando o sistema eletrônico de um carro encontra um problema que não pode ajustar sozinho, o computador transforma esse problema em um indicador de aviso amarelo e armazena um código de falha na sua memória. Popularmente, essa luz amarela é conhecida como luz da injeção eletrônica ou check engine. Em alguns veículos, a luz até pisca, como em um código morse, para indicar qual o número do código de erro está sendo apresentado.

Não vamos entrar no mérito dos códigos OBD e OBD II, ou dos scanners automotivos por enquanto. Mas vamos ajudar o motorista que num momento qualquer, desprevenido, tem a luz da injeção acesa no painel e não sabe muito bem o que fazer.

Luz da injeção eletrônica acesa: o que isso significa?

Quando a luz de injeção acende, ela vai piscar ou se manter acesa, dependendo do problema. Seja como for, a situação exige que você leve o veículo para um mecânico qualificado o mais rápido possível.

A boa notícia é que a luz constante significa que o problema não é uma emergência. Muitos carros incluem a revisão agendada de X em X km em suas centrais eletrônicas, e acendem a luz da injeção para avisar os motoristas do agendamento. Os mais desavisados não lembram-se disso, ou não tem o manual com essa informação. Há casos em que a luz da injeção pode acender também por falhas que não são emergenciais, mas que devem ser verificadas por profissionais, de qualquer modo.

Luz da injeção eletrônica acesa

Quando a luz da injeção eletrônica acender, não tema. Mantenha a calma, respire fundo, e comece a ver o que pode estar causando o probleminha. (Foto: www.toyotaofclermont.com)

Luz da injeção eletrônica piscando ou acesa direto?

Em um carro, uma luz piscando geralmente vai indicar uma falha mais grave, como indicamos acima. Já em uma moto, a luz piscando indica o normal, pois são as piscadas longas e piscadas curtas que indicam qual o sistema apresenta falha (piscadas longas são dezenas, piscadas curtas são unidades. Há uma pausa se mais de um sensor apresenta defeito. O mecânico deve “ler” essas piscadas para verificar as falhas). Em carros e motos, a luz da injeção acesa constante pode demonstrar um problema não muito grave, mas que pode demandar atenção imediata, antes que piore.

E uma luz da injeção eletrônica que acende e depois apaga?

Uma luz intermitente normalmente indica uma falha grave ou falha no sistema de registro de erros do veículo. Em ambos os casos, a recomendação é que você evite usar o veículo ou dirija o veículo lentamente até chegar a uma oficina mecânica.

O que fazer com a luz da injeção eletrônica acesa: piscando ou acesa direto

Assim que a luz da injeção acender, é recomendável que você pare no acostamento da rodovia ou em um local apropriado (estacionamento, garagem, ou mesmo oficina mecânica), siga às instruções de segurança padrão: ligar o pisca alerta, colocar o triângulo sinalizador a uma distância correta do veículo, etc.

Faça as seguintes verificações no veículo:

Luz da injeção acesa não é o fim do mundo

Cada luz da injeção é um caso diferente. Pode ser que assim que você sair de um mecânico a luz acenda porque ele esqueceu de apagar os erros da central, ou porque um sensor apresentou um novo erro. Seguindo um passo a passo na hora que o problema aparecer, você consegue identificar melhor o problema e saber se é algo urgente ou se pode esperar um pouco mais até levar o carro na manutenção.

Pular as etapas aqui colocadas: diagnóstico e correção do problema, é que não pode ocorrer, e o que vai com certeza prejudicar ainda mais seu veículo.

Também não se esqueça de manter tanto a manutenção preventiva quanto a corretiva do seu veículo. Ambas são igualmente importantes para o funcionamento do seu carro ou moto, e para prolongar a vida útil dele.

A luz da injeção eletrônica do seu veículo já acendeu alguma vez e você desesperou? Como foi a situação? Como você efetuou o diagnóstico?

Sobre o autor

Autor André M. Coelho

O pai de André já teve alguns carros clássicos antes de falecer, como Diplomata, Chevette e Opala. Após completar 18 anos, tirou carteira de moto e carro, comprando então sua primeira moto, uma Honda Sahara 350. Fez um curso de mecânica de motos para começar uma restauração na moto, e acabou aprendendo também como consertar alguns problemas de carros. Seu primeiro carro foi uma Nissan Grand Livina de 2014 e pretende em breve comprar uma picape diesel. No caminho, vai compartilhando tudo que aprende no site Carro de Garagem.

Deixe um comentário