Recentemente assisti a uma reportagem na TV falando de um senhor na Bahia que juntou 34 mil reais em moedas de 1 real, durante 7 anos para comprar um carro! Eu deveria escrever isto em algum site a respeito de educação financeira mas achei que como o produto final do dinheiro foi um carro, caberia um artigo aqui no Carro de Garagem mesmo. O carro comprado foi um Uno, do modelo novo e que custou 34 mil reais. Sem entrar no mérito do valor ou das qualidades do carro escolhido, o senhor José Cardoso está de parabéns.

Comprar um carro com dinheiro em espécie – ou moedas!

Parabéns porque? Por ter estabelecido consigo mesmo uma meta tão difícil de cumprir e ter chegado ao seu objetivo tantos anos depois. Comprar um carro no Brasil não é fácil para a maioria das pessoas e manter um carro então nem se fala! São inúmeros os casos de financiamentos mal calculados que fazem com que o carro dos sonhos se transforme no maior pesadelo financeiro. Pagar a vista é quase sempre um ótimo negócio, especialmente em se tratando de veículos!

Moedas para comprar novo

34 mil em moedas para comprar um carro! Nunca pensei que isso fosse possível. (Foto: divulgação)

Como economizar dinheiro para comprar um carro?

Por outro lado talvez tenha faltado um pouco de discernimento ou mesmo uma base de educação financeira para comprar um carro. O senhor José Cardoso que poderia ter aplicado o dinheiro durante estes 7 anos e hoje teria uma quantia consideravelmente maior. Não sabemos se a decisão de guardar o dinheiro fora de um banco foi proposital e se algum investimento foi considerado e depois descartado.

Cada um tem seus motivos, mas sem dúvidas a um rendimento líquido de 0.5% ao mês e aportes mensais de 400 reais (equivalentes ao que ele fez) estes 34.000 reais seriam hoje um pouco mais de 42.000 reais e após comprar o carro sobraria até um dinheiro para uma viagem com a esposa!

Em todo caso acho que o mérito de ter tanta força de vontade por todo este tempo é mais importante. Apesar de não concordar, respeito a opção por guardar o dinheiro em casa e conheço casos de pessoas que sequer confiam na estabilidade da economia ou mesmo do sistema bancário depois de ter tido a poupança confiscada como ocorreu no governo Collor.

E você leitor? O que acha desta história? Como você costuma comprar carro?

Financiamento? À vista? Consórcio? Novo ou usado? Deixe sua opinião sobre este caso!

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)